Siga a ZACHPOST

Olá, o que você está buscando?

Cult

Aposta do metal, HellgardeN lança álbum de estreia, gravado de forma analógica: ‘Sem frescura’

Bruto e ao mesmo tempo “artesanal”, registro mistura riffs assombrosos, vocais rasgados e partes violentas de bateria e baixo. Banda formada no interior de SP assinou com gravadora internacional para distribuir o disco.

Em seu álbum de estreia, banda HellgardeN aposta nas diversas vertentes do thrash e groove (Foto: Thiago Victal/Divulgação)

Guilherme Dorini, Tiago de Moraes

Grupo de thrash e groove metal formado no interior de São Paulo, o HellgardeN já dividiu palco com veteranos da cena metaleira no país como o Krisiun, Claustrofobia e Project46 –ao longo três anos de estrada. Mas com o recém-lançado álbum de estreia, “Making Noise, Living Fast” (Brutal Records/Sony Music), a banda tem conquistado a atenção necessária para ser considerada uma aposta do rock underground tanto no Brasil quanto no exterior.

O disco foi avaliado até o momento pela crítica especializada como “um trabalho sem chance para o erro”, “matador” e “um dos melhores álbuns de 2020”. “O HellgardeN chegou pra ficar e certamente vai se tornar um dos grandes nomes do metal brasileiro”, cravou a revista Freak em artigo.

Formada pelo baterista Matheus Barreiros, pelo guitarrista Caick Gabriel, com Diego Pascuci nos vocais e Guilherme Biondo no baixo, a banda não esconde a empolgação com o lançamento.  “A repercussão tem sido ótima, estamos recebendo muito apoio e interesse em nosso trabalho”, conta Barreiros.

Em oito faixas, o grupo mistura riffs assombrosos, vocais rasgados e partes violentas de bateria e baixo – sonoridade que remete a bandas gringas como Pantera, Machine Head, Lamb Of God, Down, Crowbar e Texas Hippie Coalition. O resultado é um registro orgânico, visceral e marcante, gravado de forma analógica, diretamente nos rolos de fita, o que reforça ainda mais a verve artesanal e vintage presente no álbum.

Para conseguir captar as músicas “sem frescura” e “na lata”, os integrantes foram para Petrópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro, no ForestLab Studios, do produtor e engenheiro eletrônico Lisciel Franco, que já trabalhou em discos dos Detonautas e MV Bill. O estúdio tem toda a parafernália específica para esse tipo de gravação, incluindo equipamentos construídos pelo próprio produtor, inspirados na mesma tecnologia de captação de som utilizada nos anos 60 – o que atrai bandas experientes e novatas de todo o país.

“Foi uma experiência incrível trabalhar com o Franco. Sempre admiramos o trabalho dele e tivemos a oportunidade de ficar 15 dias na cidade, hospedados no próprio estúdio. Nos fez evoluir muito e significou um grande passo na nossa carreira”, avalia o baterista Matheus Barreiros.

Banda formada no interior de São Paulo, HellgardeN lançou álbum de estúdio com selo internacional (Foto: Thiago Victal/Divulgação)

Uma das faixas presentes no álbum que Matheus destaca é “Learned to Play Dirty”, lançada no ano passado. “Essa é a quinta música que compomos. Foi complexa de fazer, pois queríamos algo diferente. Após o término, sentimos que ficou animal. O seu refrão é uma das partes que mais gostamos. E quando tocamos pela primeira vez ao vivo, o público reagiu muito bem”.

Além do primeiro disco, a banda comemora o contrato assinado com a gravadora Brutal Records, dos Estados Unidos, que assumiu a distribuição do debut album para o mercado internacional em vários formatos. A expectativa do vocalista Diego Pascuci é que o selo norte-americano contribua para fazer o trabalho do grupo conhecido no exterior. “Muitas portas vão se abrir para nós tanto para uma turnê pelo Brasil e, futuramente, lá fora”.

Pensamento em sintonia com o do baixista Guilherme Biondo. “Temos uma boa perspectiva sobre o futuro do HellgardeN, mas ainda estamos dando nossos primeiros passos na cena profissional. Então é difícil imaginar o que nos aguarda. Acreditamos e lutamos muito pelo sucesso da banda e temos tido um feedback bem positivo sobre o material lançado”.

Mas por enquanto, devido a pandemia de coronavírus, a banda tem feito a divulgação do material inédito exclusivamente pelas redes sociais. Para diminuir a distância dos fãs, os músicos entraram na onda de transmissões ao vivo e promoveram a metaleira diretamente de casa, no último sábado (25). A banda também lançou uma campanha de financiamento coletivo na internet.

Sobre a cena metaleira no país, Diego Pascuci avalia que os grupos em atividade não devem em nada em qualidade e inovação –ao contrário do senso comum de que o comodismo teria tomado conta dos artistas do gênero nos últimos anos.

“Cada vez mais estamos exportando bandas para o exterior e cada vez mais as composições estão melhorando. Temos mais estúdios e produtores que entendem do gênero e atendem as bandas com equipamentos classe ‘A’. Contratantes dispostos a fazer eventos, agent bookers dispostos a agendar turnês, mídia especializada e etc”, defende Pascuci.

E acrescenta que o gênero foi e sempre será um movimento de contracultura. “Não dependemos de ajuda financeira ou promessas de políticos, possuímos nosso próprio ecossistema e não é preciso procurar muito para conhecer ótimas bandas que estão rodando o Brasil e mundo”.

O começo

Matheus e Caick já se conheciam no colégio, desde os 12 anos. Com o objetivo de fazer música juntos, os roqueiros de Botucatu (SP) começaram em festivais no interior, tocando com outras bandas locais. “A música é algo mágico que transforma as pessoas que a executam e as que a escutam. Certamente a música nos escolhe e não nós que escolhemos ela”, acredita o guitarrista da banda Caick Gabriel. E nessas andanças, conheceram os demais integrantes da HellgardeN, Diego e o Guilherme.

“O Diego já tocava em outros grupos da região, e soube que estávamos precisando de vocalista para o projeto. Ele nos comunicou que queria fazer parte do HellgardeN. Já o Guilherme, conhecemos ele em um bar da cidade. Naquele momento, precisávamos de um baixista. Descobrimos ali mesmo que ele tocava baixo. Desde então se tornou nosso amigo e o baixista da banda”, lembra Caick Gabriel.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Cult

Entre uma tirinha fálica e outra, cartunista faz sucesso na internet ironizando a superficialidade do cotidiano e a cultura youtuber.

Cult

Guitarrista e veterano da cena psycho nacional, Alex From Hell conta sobre a história, referências e expectativas do grupo, que acaba de lançar o...

cinema

Cronista visual da realidade brasileira, autor de “Tungstênio” fala sobre o processo de criação da graphic novel e reflete sobre as mudanças e tensões...

Planalto

Relatório produzido pelo Centro de Estudos Estratégicos do Exército aponta o isolamento de toda a população – criticado pelo presidente – como a solução...

Nada Convencional. Assim como você. © 2016 - 2020 ZACHPOST. Todos os Direitos Reservados. Proibida a reprodução sem autorização dos editores. Composição em Literata por Vera Evstafieva, Veronika Burian, Irene Vlachou e José Scaglione/TypeTogether. Textos adicionais em Faune por Alice Savoie/Cnap.